Previous
Next

COVID-19, e a água aqui do condomínio?

   Em uma época que estamos nos obrigando a ficar em casa e nos preocupamos tanto com a contaminação pelo ar, existe um outro elemento fundamental a nossa sobrevivência que tem sido negligenciado e pode causar sérias doenças.

   Você notou que a qualidade da água está cada vez pior e como se não bastasse o condomínio gastar cada vez mais com limpezas de caixas d’água e piscina, ainda há as constantes falta no abastecimento, que nunca são abatidos da sua conta.

   Cada vez que falta água e as tubulações se esvaziam, acontece um acumulo de resíduos, que logo após ao retorno do fornecimento, desaguam na sua torneira, acrescidos de cloro e outras substâncias químicas que são injetadas na água na tentativa de diminuir a proliferação de vírus e bactérias.

   O que sobra, é uma água muitas vezes turva ou quase branca de cloro, com gosto e odor muito fortes, bem diferente da composição primária da água, que aprendemos na escola, quando a professora nos dizia que deveria ser insipida, inodora e incolor.

   Que a qualidade da água que chega na minha e na sua torneira é de péssima qualidade, ninguém discute, mas até hoje, há pouquíssimos estudos sobre o impacto terrível que essa água carregada de cloro e de todas as impurezas que se acumulam em tubulações subterrâneas, antigas e com péssima ou nenhuma manutenção, que provavelmente não tenham qualquer tipo de higienização, causam no nosso organismo.

   Com a pandemia do novo Coronavírus, ficou evidente esse problema, já que famílias inteiras, obrigadas ao confinamento, passam a consumir muito mais água que o normal e com as limitações financeiras que muitos vem sofrendo, nem todos podem comprar água mineral.

   Muitas residências apelam para o filtro residencial, mas em muitos casos o purificador de torneira dá não consegue dar conta do gosto e do cheiro, sem contar a qualidade real daquela água, pois a grande maioria dos brasileiros não tem condições de fazer um teste ou análise química para avaliar o nível de impurezas que sua família toda está bebendo

 Alguns condomínios têm buscado medidas criativas para resolver esse problema, pois esperar que a rede pública solucione essa questão, já não é mais uma opção e o morador não tem como continuar bebendo água de tão baixa qualidade, já que pé da saúde de todos que estamos falando.

   Uma das alternativas que nos deixou curioso foi uma máquina de uso coletivo, instalada na área comum do condomínio para que os moradores tragam seus galões e reabastecem nela. Confesso que fiquei impressionado, com a tecnologia e principalmente a transparência já que o morador tem em tempo real acesso aos laudos e analises feitos da água que a máquina processa, coisa eu nunca vi em nenhuma empresa de filtros, água mineral e nem pensei na rede pública, para não perder tempo. 

   Mas o que mais nos chamou atenção foi quando a equipe que faz a manutenção da máquina (que por sinal não tem custo ao condomínio) retirou os tubos que fazem parte da primeira triagem da máquina, que seriam os estágios iniciais do processamento enquanto a água está sendo esterilizada. A imagem foi chocante e fala por si só:

    Esses são os estágios iniciais depois de alguns dias com a máquina em funcionamento no condomínio

   Agora veja, como esses tubos entraram e se surpreenda:

   Repare na quantidade de barro e sujeira que vem na tubulação e que seria despejada no copo que você sua família beberia, justamente da torneira da sua casa.

   Os moradores deste condomínio têm a sorte de contar com um equipamento que os protege dessa realidade, que a maioria dos brasileiros desconhece, ou pouco se importam, com a qualidade da água que sua família está consumindo.

   Nosso organismo é composto por praticamente 70% de água, da mesma forma que o nosso planeta, que é em sua grande maioria, formado por água. Todos nós sabemos que a maior parte dos rios e lagos que abastecem a rede pública está contaminado e o processo de logística da água que vem das centrais de tratamento até a torneira da nossa casa é comprometida com tubulações malcuidadas ou mal projetadas e o resultado disso é um produto ruim.

   Você, seus filhos e seus vizinhos, precisam de dois litros de água por dia e a pergunta mais importante no momento é: você confia na água que bebe?

   Alguém precisa chamar atenção para isso, pois com a rede de saúde em colapso com a pandemia do Covid19 e as vigilâncias sanitárias atordoadas, provocando uma crise política que será engolida por outra crise econômica, quem vai supervisionar o trabalho das concessionárias de água?

  O condomínio precisará buscar alternativas pelo bem da saúde dos moradores.  

Autor: Rafael de Souza

39 anos, Gestor Comercial da empresa Purificatta, Formado em Comércio Exterior e Cinema pela FARGS